quarta-feira, 2 de abril de 2014

EIKE TEM MAIOR PREJUÍZO DE TODOS OS TEMPOS


 

:
 A Ex-OGX (OGXP3), atual OGPar, teve um prejuízo líquido de R$ 17,4 bilhões em 2013, com um resultado negativo de R$ 9,78 bilhões no quarto trimestre.
Enquanto isso, a receita líquida foi de R$ 174 milhões no trimestre, praticamente estável, e de R$ 870 milhões em 2013.
A companhia, que está em recuperação judicial, realizou uma baixa contábil de mais de R$ 5,5 bilhões em ativos somente no quarto trimestre. Já em 2013, as baixas totalizaram R$ 8,9 bilhões, por perdas de investimentos realizados nas Bacias de Campos, Santos e Espírito Santo.
Houve ainda impacto negativo causado por despesa decorrente da rescisão dos contratos de afretamento de equipamentos requisitados a OSX (OSXB3), no valor de R$ 4,6 bilhões. Ainda há despesa de R$ 1,8 bilhão com poços secos e áreas subcomerciais devolvidas, além de despesas financeiras no valor de R$ 655 milhões e despesa de variação cambial, no valor de R$ 1 bilhão.
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) totalizou R$ 18 milhões no quarto trimestre e R$ 141 milhões no ano, excluindo os fatores não recorrentes. No mesmo trimestre de 2012, o indicador tinha ficado negativo em R$ 38,2 milhões.
A petrolífera encerrou o ano com R$ 26 milhões em caixa, contra R$ 3,38 bilhões em 2012. Já as dívidas beiram aos R$ 10 bilhões, enquanto aguarda por capitalização de US$ 215 milhões por parte de credores, que está previsto no plano de recuperação judicial. Com o prejuízo, a companhia terminou o ano com um patrimônio negativo de R$ 9,73 bilhões.
A empresa também informou que o campo de Tubarão Azul poderá cessar a produção ainda no ano de 2014, segundo indicam os estudos existentes após testes que foram iniciados na região. A OGPar informou que a produção em fevereiro no campo somou 105,5 mil barris. Em 2013, a produção foi de 4,3 mil barris de óleo por dia.