sábado, 12 de abril de 2014

Justiça retira acusação contra bebê de nove meses no Paquistão


Bebê foi levado neste sábado pelo avô a um tribunal de Lahore.
Ao lado de familiares, criança havia sido acusada de tentativa de homicídio.


A Justiça paquistanesa retirou a acusação contra um bebê de nove meses que havia sido acusado de tentativa de homicídio. A criança compareceu neste sábado (12) em uma audiência em um tribunal em Lahore, no nordeste do Paquistão.
Membros da família de Mohammed Moussa Khan, entre eles o bebê, foram acusados da tentativa de homicídio de um dos policiais que tentaram acabar com o confronto entre um grupo de moradores com funcionários de uma companhia de gás, segundo o jornal "Dawn".
Muhammad Yasin segura o neto de apenas 9 meses durante audiência neste sábado (Foto: Mohsin Raza/Reuters)
Muhammad Yasin segura o neto de apenas 9 meses
durante audiência neste sábado
(Foto: Mohsin Raza/Reuters)
A criança foi levada para a audiência nos braços de seu avô. A acusação contra ele foi retirada, mas mantida contra a família, acusada de participar do confronto, que aconteceu quando os funcionários da companhia tentavam cobrar faturas não pagas ou evitar o roubo de gás.
O caso gerou um debate sobre o funcionamento do sistema judiciário no país, onde rodou a imagem da criança chorando enquanto tinha as impressões digitais tiradas quanto teve que comparecer à audiência pela primeira vez.
A polícia abriu uma investigação interna para determinar por que o menor foi acusado junto com o resto de seus familiares.
Na semana passada, o bebê Muhammad Musa Khan chegou a chorar enquanto suas impressões digitais eram colhidas em Lahore.
Fonte: G1
Justiça paquistanesa retirou a acusação contra um bebê de nove meses  (Foto: Mohsin Raza/Reuters)Justiça paquistanesa retirou a acusação contra um bebê de nove meses (Foto: Mohsin Raza/Reuters)
  •  
Muhammad Musa Khan chora enquanto suas impressões digitais são colhidas em Lahore na quinta-feira (3) (Foto: AFP)Muhammad Musa Khan chora enquanto suas impressões digitais eram colhidas em Lahore na quinta-feira (3) (Foto: AFP
)