terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Turistas se assustam com altos preços nas praias do Rio

Visitantes e cariocas se assustam com a inflação nas areias da cidade.


2012110695648O Rio receberá, na virada do ano, mais de 800 mil turistas. Mas os visitantes tomaram um susto com a inflação nas areias das praias mais famosas da cidade. “É impossível aceitar que o aluguel uma cadeira chegue a R$ 15”, afirma o advogado Márcio Nunes.
A média de preços é praticamente fixa para todos os produtos, afirmou o analista Marcos Barroso. “Este ano o número cabalístico da praia é R$ 5, tudo é R$ 5”, contou Barroso.
O auditor Fernando Nogueira concorda. “Custa R$ 5 cada cadeira, R$ 5 a barraca, e o refrigerante também custa R$ 5”.
A barraca de Alberto Silva, conhecido como Beto, é uma das preferidas na orla do Leblon e costuma praticar preços honestos. “Eu acho injusto chegar em um momento desses, com o pessoal que compra com você o ano inteiro, e dobrar o preço, eu não faço isso”.
No começo de 2014, a Prefeitura do Rio publicou no Diário Oficial um decreto aprovando a Frente Municipal de Combate às Práticas Abusivas, que dá suporte ao consumidor que quiser denunciar os preços extorsivos.
“O preço é uma característica da livre concorrência. No entanto, elevar o preço sem justificativa é uma prática abusiva. A empresa ou o comerciante poderá ser autuado”, afirma Fábio Ferreira, subsecretário do Procon-RJ.
Consumidores trazem comida e bebida
Muitos consumidores deram um jeito de driblar a inflação da areia. Muitos banhistas não se importam em serem chamados de farofeiros e levam a própria comida e bebida para as areias.
“Eu prefiro trazer minhas coisas e não ficar à mercê dessas pessoas que estão se aproveitando”, afirma servidor público Jean Gusmão, que aderiu ao isopor e à sacola térmica para levar alimentos e bebidas.
A gerente de produto Mariana Martins também é adepta das compras no supermercado. “Está tudo muito caro aqui. A cerveja na praia está R$ 5. Nós pagamos R$ 1,89”.
E os comerciantes que ficavam de olho nos turistas estrangeiros, estão perdendo a clientela. O argentino aprendeu a lição, trouxe bebida pra praia e só come em casa. “Tratamos de comer no apartamento”.
Pessoas que trazem cadeiras e barracas também se tornaram uma cena cada vez mais comum nas praias do Rio de Janeiro.
Pechinchar é um bom negócio
Turistas mineiros também deram uma lição de economia e mostraram que pechinchar também pode ser um bom negócio. “Demos uma choradinha, são quatro pessoas, a vendedora viu que valia a pena e fez por R$ 4”, afirma o veterinário Lucas Novaes.
O publicitário Rodrigo Ferreira apoia a iniciativa do amigo. “Não tem jeito, se eles têm a cara de pau de pôr um preço caro, a gente tem que ter a cara de pau de pedir um desconto”.
Fonte: G1